Síndrome de Final de Ano sem causa tratada pode levar a distúrbios severos


Descobrir o motivo, refletir e mudar alguns comportamentos, sobretudo, ter uma visão positiva da vida geram desfechos positivos para quem sofre com a síndrome.

Hoje trago um assunto muito importante, porém, pouco falado. 
Confesso que muitas vezes já me questionei o porque ouvimos e vemos muitas pessoas tristes ou isoladas nesta época do ano, o texto abaixo aborda o assunto de forma clara e objetiva. O texto é da Marilene Kehdi


Nesta época do ano, com a proximidade do Natal e do Réveillon, a população é dividida entre aquelas que sentem alegria e aquelas que sentem tristeza. Em destaque, algumas pessoas tendem a sentir sentimentos negativos, seja por motivos de perdas, desemprego ou até uma avaliação negativa da vida sem motivo concreto. De acordo com a psicóloga, escritora e fundadora do PSICODICAS, Marilene Kehdi, esse conjunto de sintomas físicos e psicológicos que surgem na época das festas de final de ano é diagnosticado como Síndrome de Final de Ano.

O aglomerado de sinais clínicos, que acomete diversas pessoas, em maior ou menor grau, tem como destaque os sentimentos de frustração, profunda tristeza, desamparo e solidão, os quais irão influenciar, de forma latente, na qualidade de vida, neste período do ano.

Marilene exalta que essas emoções surgem sem que a vítima tenha controle sobre elas e trazem junto vários sintomas físicos, entre eles, náuseas e dores de cabeça. Além disso, os sintomas comportamentais, como apatia, insônia, alterações no humor e, ainda, sintomas psicológicos, como por exemplo, a ansiedade e o pânico.

Segundo a psicóloga, as vítimas desse conjunto de sintomas apresentam algumas caraterísticas, como frustação com a própria vida, insegurança ou algum transtorno psiquiátrico de base, como o Transtorno de Humor. Em casos mais graves, alguns desenvolvem a depressão, Síndrome do Pânico, ansiedade generalizada, pensamentos suicidas e a própria tentativa de suicídio.

Como alerta, é preciso que haja uma psicoavaliação para saber a causa que gerou a síndrome para, então, dar prosseguimento ao tratamento psicológico. Caso não haja o tratamento em relação a causa que leva à essa síndrome, o distúrbio será recorrente nesse período do ano. Em situação mais crítica, pode evoluir para uma depressão severa, fobia, Síndrome do Pânico ou Transtorno Alimentar.

"O melhor a fazer para não ficar todo ano na época das festas desencadeando essa síndrome é tratá-la, descobrir a causa, e, a partir desse ponto, refletir e mudar alguns comportamentos, sobretudo, ter uma visão positiva da vida", ressalta a especialista.
Saber o que está gerando esses sentimentos fará com que esse indivíduo mude a percepção de si e de alguns fatos que estão o enfraquecendo. A chave do sucesso terapêutico é fazer com que a pessoa que esteja sofrendo da Síndrome de Final de Ano mudar seu padrão de pensamento, ou seja, identificar e entender quais pensamentos a enfraquece.

Sobre Marilene Kehdi
Marilene é pós-graduada em Atendimento Clínico, Psicossomática, Geriatria e Gerontologia Social, e possui aprimoramento em Saúde Mental, Neuropsicologia, Psicologia Hospitalar e Psicopatologia. É autora de sete livros e fundadora do site PSICODICAS

Suas obras, 
Um Convite à Felicidade”, 
Vivendo e Compreendendo”, 
Conquiste Uma Vida Mais Saudável”,
Organize Suas Emoções e Ganhe Qualidade de Vida”, 
Faça, Aconteça e Realize!”, 
Um Novo Estilo de Vida!” e 
Emoções, Situações e Soluções